Caso de Obra – Aterro sobre Solo Mole na Interligação das rodovias Dutra e Carvalho Pinto

Aterro sobre Solo Mole Aterro sobre Solo Mole Aterro sobre Solo Mole Aterro sobre Solo MoleDa Huesker Brasil A implantação da 2ª etapa da via Interligação entre as rodovias Presidente Dutra e Carvalho Pinto (Av. Mário Covas) em São José dos Campos (SP) promoveu uma verdadeira vitrine de soluções geotécnicas envolvendo geossintéticos para reforço de solos.

O uso de geogrelhas e drenos verticais como solução básica para a implantação dos aterros viários em áreas de solo mole na 1ª etapa da obra, ao longo de seus 1,5km em 2000, foi considerado um dos principais fatores do marcante êxito da obra naquele momento. Assim, para o trecho de 900m em áreas de solos argilosos moles seguintes nesta 2ª etapa, diversas soluções envolvendo geossintéticos de alta performance (geogrelhas Fortrac® e geocompostos Ringtrac®) foram adotadas para possibilitar, da mesma forma que na etapa anterior, a execução da obra em um prazo curto e com um custo adequado.

A seguir descrevem-se, por cada sub-trecho, as diversas concepções de soluções projetadas para o trecho de aproximadamente 900m onde o eixo da rodovia (via dupla com 2 faixas de rolamento mais acostamento separadas por defensa New Jersey) margeia a lagoa do CTA, em um trecho de argila orgânica mole:

Sub-trecho entre as estacas 1093 + 1,5 a 1100 + 4,3

Neste sub-trecho, praticamente o início da nova etapa de implantação, em função da proximidade do aterro viário com a estrutura da eclusa da lagoa, a falta de espaço para implantação do aterro com taludes laterais geometricamente estáveis, obrigou o projeto a considerar estruturas de contenção para a conformação dos aterros com laterais mais verticalizadas.

Foi executado um Muro Terrae com até 6,0 m de altura ao longo deste sub-trecho. Em função da existência de solo mole já neste sub-trecho, foi executada uma fundação em laje estaqueada, para apoio do aterro e do próprio Muro.

Sub-trecho entre as estacas 1102 + 7,5 a 1109 + 3,6

Também neste trecho, um Muro Terrae também com até 6,0m de altura foi executado para evitar que o off-set do aterro invadisse o leito da lagoa do CTA. Neste sub-trecho, para garantir a estabilidade do aterro e evitar recalques observados neste sub-trecho, foi implantada uma solução de Aterro Sobre Estacas pré-moldadas com capitéis e geogrelha bidirecional Fortrac 100/100-30. Neste sub-trecho, as sondagens demonstravam a presença de argila com lentes de camada orgânica com resistências baixas, de até 2 golpes SPT até uma profundidade média de 8m.

Sub-trecho entre as estacas 1109 + 3,6 a 1111 + 10,0

Neste trecho, as sondagens apontavam para um sub-leito composto por argila mole e lentes matéria orgânica em uma espessura de 8m. Neste caso, foi adotada uma solução envolvendo a remoção parcial do solo mole de até 3m a partir da superfície do terreno. Foi executado um colchão granular para composição da espessura de reaterro e sobre este foi colocada uma geogrelha Fortrac 900/100-30 para garantir a estabilidade global do aterro. Neste sub-trecho, foi executado um Aterro Reforçado Sobre Solo Mole, com altura de 5 a 6m para atingir a cota de terraplenagem.

Sub-trecho entre as estacas 1120 + 0,0 a 1130 + 0,0

Neste sub-trecho, o aterro atingia maiores alturas, e o solo mole maiores espessuras que em sub-trechos anteriores. O solo mole neste sub-trecho foi caracterizado como argila orgânica sobrejacente a uma espessa camada de areia média fofa. No total, a camada de solo de baixa capacidade de suporte, com resistências evoluindo de 0,5 a 4 golpes SPT, apresentava uma espessura de 7 a 8m. Neste sub-trecho foi adotada a solução de Aterro Reforçado Sobre Solo Mole tratado com drenos verticais para aceleração de recalques. O aterro chegava a 7m de altura e a geogrelha utilizada foi o Fortrac 900/100-30 na base do aterro para garantir sua estabilidade global.

Sub-trecho entre as estacas 1130 + 0,0 a 1137 + 0,0

Neste sub-trecho, com 140m de extensão, o último em área de solo mole, encontrou-se a situação mais crítica de projeto. As alturas de aterro atingiam 8m e o solo mole apresentava-se ao longo de uma espessura de 8 a 10m, compondo-se de argila orgânica superficial, que reaparecia como um bolsão a 5m de profundidade. Para a estabilização do aterro neste trecho, garantindo não só sua condição de estabilidade, mas também o controle de recalques evitando adensamento em períodos longos, optou-se pela adoção de um sistema de melhoramento de solo através do uso de Colunas Granulares Ringtrac.

As colunas Ringtrac foram instaladas em malhas triangulares variando de 1,80 a 2,20m de espaçamento. O reforço sintético Ringtrac 2000 PM, de alto módulo de rigidez, foi dimensionado para garantir elevada capacidade de carga às colunas de areia. Sobre as colunas, como elemento de reforço horizontal e plataforma de destruição de cargas, foram usadas geogrelhas Fortrac 300/100-30, Fortrac 400/100-30 ou Fortrac 500/100-30, de acordo com a variação na altura do aterro ao longo do sub-trecho.

As obras de implantação da 2ª etapa da Avenida Mário Covas em São José dos Campos, com aproximadamente 6 km de extensão foram realizadas ao longo de aproximadamente 1 ano. Nos seus 900m iniciais, importantes desafios foram vencidos com o uso de soluções em reforço de solos com geossintéticos de alto desempenho. As soluções empregadas mostraram-se adequadas sob todos os aspectos: excelente relação benefício-custo, boa adequação a restrições ambientais e de cronograma. Em julho de 2007, a 2ª etapa da Avenida Mário Covas foi liberada ao tráfego e é uma das importantes vias de acesso à cidade, tendo sido, durante sua implantação, uma excelente oportunidade de utilização, com grande sucesso de algumas das soluções de alta tecnologia, hoje amplamente à disposição da geotecnia brasileira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.