Avaliação das alternativas técnicas para estabilização da camada de subleito

Aplicação do Geotêntil

Haroldo Paranhos e Rideci Farias (UCB/Reforsolo Engenharia/UniCEUB/IesPlan), Marcos Costa, da OAS, e Joyce Maria Lucas Silva, da Concremat, participaram do Cobramseg 2016 com o estudo de “Avaliação das Alternativas Técnicas para Estabilização da Camada de Subleito nas Obras do Corredor BRTsul – DF”.

Como solução de transporte público, o conceito do BRT é cada vez mais comum nas grandes cidades. A cidade do Gama (DF), local de implantação deste modal é fruto de uma Geologia caracterizada por uma camada de Latossolos vermelhos argilosos, denominados de argila porosa e colapsível. Estudos bibliográficos apontam que muitas obras de pavimentação apresentam deformações exageradas quando da falta de caracterização pormenorizada desses perfis, frente as solicitações do tráfego.

A utilização de dimensionamentos embasados na teoria do CBR e a verificação da qualidade dos serviços de terraplenagem e das camadas do pavimento, não apresentam de forma satisfatória os efeitos causadores das deformabilidades dessa estruturas, visto que os serviços de controle de compactação afirmam um grau de compactação compatível com os serviços, mas quando da medida da deformação, pelo método da viga Benkelman, valores aquém são determinados, a ponto de não serem aceitas pela fiscalização.

Aplicação da Geogrelha

Fatores importantes como granulometria, os limites de Atebergs e presença de argilominerais higroscópicos, acentuam o problema, visto que estes solos apresentam hidratação de água em contato com o meio e capilaridade elevada, a ponto de ser difícil a manutenção da umidade ótima, durante os serviços de compactação e a recompactação se torna inviável, pois a desestruturação dos macroporos tornam esses solos ainda menores do ponto de vista da textura. Pelo grau de dificuldade apresentada em se trabalhar com esses tipos de solos, e prazo apertado para a execução da etapa do serviço de compactação, foi proposta e testada cinco soluções de reforço do subleito, de forma a direcionar a solução técnica e econômica mais favorável ao cronograma do empreendimento.

Essas soluções transitam pelas utilizações de camadas estruturantes, com pedra Rachão; subleito reforçado com microgrelha; subleito reforçado com geotêxtil; subleito compactado com cascalho laterítico e subleito compactado com adição de 5 % de cal virgem. Todas as soluções foram avaliadas em trechos experimentais de aproximadamente 100 metros de extensão, da própria obra, por meio do controle tecnológico convencional e com a medição da deformação com a utilização da viga benkelman.

Para ter acesso à íntegra do trabalho clique aqui.