Comitê de Geossintéticos da Abint lança cartilha de Recomendações sobre o Uso de Geotêxteis

Fabrício Zambotto, coordenador do CTG

O Comitê Técnico de Geossintéticos (CTG) da Associação Brasileira das Indústrias de Nãotecidos e Tecidos Técnicos (Abint) lançou em 2017 sua cartilha de Recomendações sobre o Uso de Geotêxteis em Obras. Estas recomendações têm como objetivo auxiliar o mercado a bem especificar, comprar, receber, e fiscalizar o uso dos Geotêxteis nas obras, de forma correta, com base nas normas existentes, e na experiência de uso e sucesso de mais de 40 anos no Brasil. Para saber mais sobre a publicação, entrevistamos o coordenador do CTG, Fabrício Zambotto.

O CTG é formado por empresas fabricantes e distribuidoras de geossintéticos no Brasil associadas à Abint. O comitê foi criado com o objetivo de divulgar as aplicações dos geossintéticos nas obras de engenharia, bem como os conceitos de qualidade a serem observados pelo fabricantes e usuários, contribuindo para o desenvolvimento mercadológico de forma ética e responsável.

 

Geosynthetica Brasil – O que motivou a criação da cartilha?
Fabrício Zambotto – O CTG lança cartilha com o principal intuito de trazer material técnico que fomente o conhecimento do público comprador sobre as características de geotêxteis e os pontos relevantes pelo qual ele precisa ser adquirido e empregado nas obras.

Qual é seu objetivo?
O objetivo é melhorar o nível técnico de qualidade que os nossos clientes, hoje, adquirem na hora de comprar, ou seja, melhorar a qualificação do comprador quanto ao assunto geotêxtil, já que é um item bastante específico.

A que público é destinada a cartilha de recomendações?
A cartilha se destina principalmente a compradores, especificadores e usuários finais. Tem como objetivo principal, além dos mencionados anteriormente, mostrar para o consumidor que existem características a serem avaliadas no momento da compra, pois algumas características podem variar de fabricante para fabricante.

Por que o CTG está engajado num projeto como este?
O CTG vem se engajando, nos últimos quatro anos, em busca de uma melhoria de performance no uso de Geossintéticos, buscando trazer ao mercado a necessidade de se usar Geossintéticos por desempenho, ou seja, sabendo exatamente quais características eu necessito, qual o resultado final esperado com a aplicação de Geossintéticos e se tem o atributo que eu preciso. Além disso, tentar qualificar os fornecedores de mercado sem que haja problemas de fornecimento de material sem qualidade.

Qual é a importância de conscientizar os clientes sobre tais aspectos determinados na cartilha?
A principal importância de qualificar e levar para o mercado essas informações, é que podemos garantir que o dinheiro empregado nas obras, seja ele um recurso privado ou público, estará sendo bem empregado e com resultado esperado desde a fase do projeto, garantindo que o cliente final tenha a característica final da obra, o projetista tenha segurança de utilizar Geossintéticos, sabendo que aquele material trará o mesmo desempenho esperado na fase do projeto.

Qual o feedback do mercado desde o lançamento da publicação?
O mercado recebeu muito bem esse material e ainda recebe todo e qualquer tipo de publicação que tenham cunho técnico/comercial, pois os Geossintéticos ainda são um assunto muito jovem no mercado no qual tem uso mais intenso de 25/30 anos. Tudo que for conhecimento pode melhorar e facilitar o dia a dia do consumidor. Logo o feedback está sendo extremante positivo e receptivo a novas versões desses materiais.

Para ter acesso à cartilha clique aqui.