Caso de Obra – Estabilização de solos moles em terminal portuário de Santos

Da Huesker Brasil Um dos maiores e mais modernos complexos portuários da América Latina, o Terminal Embraport está localizado na Ilha Barnabé, na margem esquerda do Porto de Santos (São Paulo). Instalado em área estratégica com acesso por via marítima, rodoviária e ferroviária, em sua primeira fase o empreendimento conta com 653 metros de cais, 207 mil m² de pátio e capacidade de movimentação anual de 1,2 milhão de TEUs (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés).

O terreno da área de implantação do Terminal Embraport apresenta características geotécnicas típicas dos conhecidos solos moles da baixada santista, contemplando até 40m de espessura de argila de elevada compressibilidade e de baixa resistência. A partir disso, foi necessária uma solução de estabilização dos aterros.

Solução – A solução de estabilização dos aterros constituiu-se essencialmente do reforço de base com geogrelhas e bermas na periferia dos aterros, em uma área total superior a 600 mil m². Geogrelhas de diversas resistências foram especificadas.

Além disso, geotêxteis de polipropileno também foram previstos para cumprirem duas funções: estabilização e reforço construtivo dos aterros e contenção das bordas do aterro, executado hidraulicamente até a cota de nível d’água. No total foram utilizados na obra 650 mil m² de geotêxteis e mais de 1 milhão de m² de geogrelha.

Benefícios – A utilização do geotêxtil como reforço construtivo do aterro de conquista de toda a área construída permitiu grande agilidade às obras de terraplanagem. O controle de volumes de solo de aterro foi plenamente controlado e houve grande ganho na mobilidade dos equipamentos envolvidos nos serviços iniciais. Além disso, as geogrelhas foram utilizadas de maneira a evitar trabalhos de corte de painéis na obra e desperdícios de material.

Leia também:

Construção do Porto de Santos economiza US$ 50 milhões com o uso de Geossintéticos