Fibertex Nonwovens compra DUCI, estratégica no mercado brasileiro

A Fibertex Nonwovens, do conglomerado industrial dinamarquês Schouw & Co., adquire todas as atividades no fabricante brasileiro de não tecidos DUCI (joint venture entre DuPont e Cipatex). A dinamarquesa obtém assim uma forte posição no crescente mercado sul-americano e avança para uma posição líder no mercado global como fornecedor de não-tecidos para a indústria automotiva e também geotêxteis não-tecidos.

Com sede em Aalborg, na Dinamarca, a Fibertex Nonwovens ganhará instantaneamente uma sólida posição no importante mercado de crescimento sul-americano. “Durante muitos anos Fibertex Nonwovens estabeleceu-se como um dos principais fabricantes mundiais de não-tecidos especializados. Agora, obtivemos uma oportunidade única para se estabelecer em um dos mercados de crescimento mais importantes do mundo e, com a aquisição do DUCI brasileiro, poderemos acompanhar alguns de nossos grandes clientes europeus em todo o mundo “, explica o CEO da Fibertex, Jørgen Bech Madsen.

A Fibertex Nonwovens receita anual de cerca de R$ 778 milhões (em 2017) e atualmente tem unidades de produção na Dinamarca, França, República Tcheca, Turquia, EUA e África do Sul. DUCI foi fundada em 2001 e receitas de cerca de R$ 62 milhões (2017) e lucro anual (EBITDA) de cerca de R$ 8,1 milhões (2017).

Para Carlos Eduardo Benatto, diretor presidente da Fibertex Nãotecidos, as empresas têm grande sinergia entre suas áreas de atuação e essa operação. “Trata-se de uma oportunidade para a ampliarmos nossa atuação em mercados em que estamos estabelecidos e, ainda, expandir nossa atuação para a América do Sul”, afirma o executivo.

O mercado brasileiro de não-tecidos industrializados é o sexto maior do mundo e conta com cerca de 120 mil toneladas por ano, equivalente a cerca de metade do mercado total sul-americano. A DUCI tem uma nova plataforma de produção dentro da chamada tecnologia de spunlacing – um método de produção bastante novo em que os não-tecidos são necessários por jatos de água de alta velocidade.

Fibertex Nonwovens A/S Denmark

É, em particular, como fornecedor da indústria automotiva que a Jørgen Bech Madsen vê um potencial no DUCI. Um carro europeu médio contém cerca de 30 m² de não-tecidos avançados e a Fibertex Nonwovens conseguiu capturar a posição líder de mercado como fornecedor de materiais em tudo. “Somos fornecedores de boa parte da indústria automotiva europeia e, com o estabelecimento no Brasil, obteremos ótimas possibilidades de acompanhar nossos clientes em todo o Oceano Atlântico. O Brasil é, de fato, o país de produção mais preferido para muitos fabricantes de automóveis “, continua.

Além disso, ele salienta que o compartilhamento de conhecimento, as melhores práticas e as vendas cruzadas entre a Europa e a América do Sul serão alguns dos efeitos sinérgicos da aquisição. A aquisição da DUCI também abre uma porta para entrar no mercado sul-americano com produtos para a indústria de compósitos, bem como wipes de alto desempenho, onde Fibertex Nonwovens tem uma posição forte na Europa. Além disso, levando em consideração o tamanho da Fibertex Nonwovens, o negócio ficará muito melhor em relação ao abastecimento de grandes quantidades de matérias-primas.

A DUCI, joint venture entre a DuPont do Brasil e o Grupo Cipatex, conta atualmente com 190 funcionários e está instalada em Cerquilho (SP). A Fibertex Nonwovens tem planos para ampliar a capacidade de produção no DUCI nos próximos anos, de acordo com as diferentes aplicações de não-tecidos espalhadas. A fabricante dinamarquesa tem uma estratégia de crescimento global que a Schouw & Co., proprietária da Fibertex Nonwovens e sua empresa irmã Fibertex Personal Care, desde 2002, apoia com uma gestão muito ativa.

“Vemos um grande potencial de desenvolvimento ainda maior da Fibertex Nonwovens. O negócio tem uma plataforma de produção com um potencial muito grande, e os novos produtos baseados em nano – que a companhia desenvolveu e patenteou – estão alinhados e prontos para substituir outros recursos mais escassos”, explica o presidente da Schouw & Co., Jens Bjerg Sørensen, e continua: “Por isso, consideramos a aquisição da DUCI como um grande passo na direção correta para a realização de nossa estratégia, e agora vamos nos concentrar na integração dos novos negócios no grupo”.

A aquisição da DUCI entrará em vigor no início de fevereiro de 2018, e deverá produzir receita e lucros da Fibertex Nonwovens em 2018. A Schouw & Co. divulgará seu relatório anual para 2017, em 9 de março de 2018, em que orientação para 2018 Receita e lucros nos Fibertex Nonwovens também serão lançados.

Nãotecidos e Tecidos Técnicos 

O segmento de Nãotecidos, que nos últimos cinco anos investiu mais de US$ 70 milhões em atualização tecnológica em equipamentos de última geração e que hoje emprega no Brasil diretamente mais de 16.500 pessoas, apresenta um consumo aparente de 283.930 toneladas/ano, exportações de 31.990 toneladas/ano e importações de 40.272 toneladas/ano. Já o setor de Tecidos Técnicos investiu, nos últimos dois anos, mais de US$ 47 milhões em atualização tecnológica e equipamentos e gera cerca de 22.000 empregos diretos. Apresenta consumo aparente de 302.010 toneladas, exportações de 6.235 toneladas e importações de 44.973 toneladas.