Caso de Obra – Uso de geodreno vertical em duplicação da rodovia BR-135

31-romageodreno2Da Roma Geossintéticos – Para a construção de rodovias sobre solos compressíveis, devem-se evitar a ruptura das fundações e manutenção das deformações, adensando o solo de uma forma que se cumpram os prazos de entrega do projeto. Neste caso, da duplicação da rodovia BR-135 em Pedrinhas (MA), a presença de subsolo composto por solo mole, muito permeável e de baixa capacidade portante era um problema a ser resolvido.

Construção – Os geodrenos foram cravados/inseridos dentro da massa de solo que necessitava ser adensada, por um equipamento especial de cravação.

A direção do fluxo da água no interior da massa do solo passou a ser predominantemente horizontal (radial). A água coletada pelos drenos verticais é encaminhada ao colchão drenante de areia, na superfície do terreno natural, onde é levada para a atmosfera e sistema drenante. Sobre o colchão drenante de areia foi colocado um carregamento de solo de boa qualidade, o que propiciou uma aceleração no recalque diferencial do terreno que foi posteriormente nivelado para permitir a construção da rodovia.

Os geodrenos apresentaram elevada resistência mecânica, que garantiu a integridade durante a cravação e esforços oriundos da deformação horizontal e vertical da massa de solo em adensamento.

Resultado – Com a aceleração do recalque as propriedades do solo melhoraram, acelerando o aumento da resistência ao cisalhamento e da capacidade de carga, permitindo que a obra fosse concluída no tempo planejado.

Leia também:
Revestimento de Lagoas de Estação de Tratamento de Esgoto
Impermeabilização da expansão do Aterro Sanitário de Mauá (SP)