Estudo sobre a influência de Reforço Geossintético sobre Dutos Enterrados

O mestre em Geotenica pela Universidade de Brasília (UnB), David Fernando Bernal Acosta, e o doutor Ennio Marques Palmeira, professor da Universidade de Brasília (UnB) apresentaram no Cobramseg 2016 um estudo sobre a “Influência de Reforço Geossintético no comportamento de Dutos Enterrados”.

Equipamento utilizado nos ensaios da pesquisa

Equipamento utilizado nos ensaios da pesquisa

Segundo o trabalho, a utilização de dutos enterrados vem sendo uma das técnicas mais adotadas na solução do transporte de hidrocarbonetos. A demanda do mercado global de óleo e gás nas áreas offshore e onshore precisa de sistemas e linhas de transporte que possam garantir segurança e confiabilidade, evitando que os diferentes esforços que atuam nas tubulações enterradas gerem fenômenos que produzam danos e/ou rupturas, com elevados custos ambientais e econômicos.

O estudo analisou a utilização de geossintéticos como elementos para a ancoragem de dutos enterrados. Foram utilizados diferentes elementos de reforço simulando geogrelhas em ensaios em modelos físicos. Os reforços foram caracterizados e posteriormente utilizados em testes de ancoragem em dutos enterrados. Foram avaliadas diferentes configurações geométricas de ancoragem do reforço.

Entre os resultados obtidos estão os seguintes:

  • A presença de reforços melhora significativamente os valores de carga necessária para a movimentação vertical do duto enterrado. As cargas máximas foram linearmente dependentes do comprimento do reforço empregado.
  • A efetividade da ancoragem do material geossintético dependeu do tipo de geossintético e configuração de instalação.
  • O geossintético que melhor se comportou foi aquele em que não se verificou a passagem de grãos de solo por suas aberturas durante o ensaio.
  • Os resultados obtidos sugerem que a utilização de reforço geossintético pode melhorar o desempenho de dutos enterrados no que se refere a evitar ou minimizar a sua movimentação vertical provocada por flutuação ou flambagem.

Para ter acesso ao trabalho completo, acesse aqui.